Claudia Ritz

Claudia Ritz

Doutoramento em Estudos da Religião

"O acordo internacional de cotutela entre a Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e a Universidade Católica Portuguesa, com o apoio da Fapemig, resultou na dupla titulação de doutora em Ciências da Religião e doutora em Estudos da Religião. A pesquisa intitulada Eu sou sem religião com crença: a fragilização da herança religiosa e a conservação da crença como elo de memória, qualificada com summa cum laude, foi a concretização de um sonho vivenciado no Brasil e em Portugal, com proveitosa cooperação académica, virtuosas relações humanas, fecunda experiência cultural e belas memórias afetivas." 

 

Claudia Ritz

Sandra Costa

Sandra Costa

Doutoramento em Ciências da Religião

 

“É para mim, uma enorme honra ser aluna do doutoramento em Estudos da Religião. Para além de destacar a irrepreensível qualidade e proximidade do corpo docente, as pessoas que estão envolvidas em todo o processo são de uma dedicação única. Eu, decidi frequentar o doutoramento por uma questão de desenvolvimento pessoal, e tem sido um caminho de crescimento pessoal, intelectual, académico e espiritual que jamais imaginei. Trabalho com líderes e com as suas equipas e sinto que este crescimento em conhecimento me tem ajudado a ser melhor pessoa, a levar mais e melhor para os meus clientes e parceiros, e juntos contribuímos para uma comunidade mais justa e fraterna.”  

 

Sandra Costa

Coach & Consultora em Liderança

Sílvia Fernandes

Sílvia Fernandes

Doutoramento em Estudos da Religião

"A opção pelo doutoramento em Estudos da Religião, longe da minha área de formação académica inicial e de atuação profissional, assentou na suspeita de que seria uma área de estudos com aprendizagens sobre o mais íntimo de nós mesmos, desde sempre, porque sobre a Humanidade e as suas crenças.

Agora, na certeza disso, sinto-me a crescer pela sabedoria eclética dos professores, sempre presentes, que nos fazem ver que quando se acredita na Humanidade é necessário, antes de tudo, que haja quem a defenda, e que, para isso, afastemos de nós esses ares ideológicos que nos assaltam num intrincadíssimo emaranhado de conexões causais dúbias, esses wokismos que parecem assolar ruidosamente, e pior ainda quando silenciosamente, os nossos meandros culturais, erigindo-se em batutas de novos tempos, com contextos fabulados, com vocabulário eufemístico e politicamente correto, com ideais asséticos e mignons. 

Aqui, cultiva-se o profundo hábito arriscado de pensar."

 

Sílvia Fernandes