História


Quando em Itália, na cidade que empresta o nome ao chamado Processo de Bolonha, é criada a universidade (1088), já no território que viria ser Portugal funcionava não uma universidade, mas uma escola particular, com o respetivo mestre, para ensinar os alunos que quisessem acorrer à Escola do Cabido, aninhada junto à Sé de Braga.

Esta referência seria aqui dispensável, se não considerássemos dois factos: primeiro, que é na tradição de tal escola, no longínquo ano de 1072 (ou mesmo antes), que a Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais, enquanto natural continuadora da Faculdade de Filosofia, se coloca; segundo, que foi exatamente esta (última) a primeira escola superior não estatal a conferir graus académicos de licenciatura e doutoramento em Portugal.

Resultando de um processo de reestruturação de duas Faculdades do Centro Regional de Braga, a Faculdade de Filosofia e a Faculdade de Ciências Sociais, a história da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais (FFCS), por conseguinte, antes de mais, confunde-se com parte da própria história da primeira. Na verdade, a Faculdade de Filosofia, enquanto obra da Companhia de Jesus, está indelevelmente associada não só à presença dos Jesuítas em Portugal, mas também à sua vocação para o ensino.

Chegados a Portugal em 1540, os primeiros jesuítas, Simão Rodrigues e S. Francisco Xavier, depressa deram início às aulas públicas no Coleginho de Santo Antão, em Lisboa, dedicando-se ali à formação humana e cristã da juventude portuguesa.

Em 1543, receberam de D. João III uma casa em Coimbra, destinada aos estudos dos jovens jesuítas; pouco depois, foi-lhes entregue pelo mesmo rei o Colégio das Artes.

Em 1559, foi-lhes oferecida a Universidade de Évora pelo Cardeal D. Henrique, o mesmo que, ainda Arcebispo de Braga, tentara construir para a Companhia de Jesus um colégio. Mas foi o célebre Beato D. Frei Bartolomeu dos Mártires que, em 1563, lhes "fundou" o Colégio de S. Paulo. Braga entra, assim, dentro da tradição dos colégios dirigidos pelos jesuítas portugueses.

Quando estes foram expulsos de Portugal, em 1759, dirigiam vinte e oito colégios de ensino secundário, em Portugal, e a Universidade de Évora.

O Colégio de S. Paulo, em Braga, teve como primeiro Reitor o Beato Inácio de Azevedo. Durante 196 anos, foi o Colégio de S. Paulo o principal centro da educação da juventude bracarense: com mais de dois mil alunos matriculados em vários anos, o Colégio distinguia-se pelo alto nível dos seus estudos (chegando a ser pedida a colação de graus), e adquiriu o privilégio de traje e atos académicos, com certas regalias ou usos do foro universitário.

Os jesuítas voltaram a Braga em 1875. Desta vez, dedicaram-se mais ao apostolado do que ao ensino. Mas quando, após a expulsão de 1910, regressaram a Braga, em 1934, estabeleceram na Rua de S. Barnabé o Instituto Beato Miguel de Carvalho para o estudo da Filosofia.

Em 1942, os estudos de Filosofia aqui ministrados são declarados pelo Ministério da Educação “Curso Superior de Ciências Filosóficas”. Em 1947, o Instituto é elevado a Faculdade Pontifícia e, em 1967, esta mesma Faculdade é declarada, pelo decreto Lusitanorum nobilissima gens, de 13 de outubro de 1967, Faculdade de Filosofia da Universidade Católica Portuguesa. Foi a primeira Faculdade da nova Universidade Católica que, em 1968, prosseguiu a sua expansão com a Faculdade de Teologia em Lisboa.

Ao longo do tempo, a Faculdade de Filosofia alargou o leque da formação de base, em Filosofia e Humanidades, às áreas do Desenvolvimento de Empresas, Psicologia, Ciências da Comunicação, Artes e Ciências Documentais. Assim, quando em 2001 é criada a Faculdade de Ciências Sociais, num conjunto de três Unidades Orgânicas – que entretanto seriam integradas administrativamente no Centro Regional de Braga – à oferta formativa já existente na Faculdade de Filosofia e na de Teologia, vêm juntar-se o Serviço Social, as Tecnologias da Informação e Comunicação, as Ciências da Educação e, mais recentemente, o Turismo, o Património e o Design.

Cumprindo a determinação do Conselho Superior de 18 de janeiro de 2013, formou-se o Grupo de Reflexão Estratégica para a reestruturação do Centro Regional de Braga, constituído pelos Vice-Reitores, Profs. Doutores Isabel Capeloa Gil e José Tolentino de Mendonça, pelo Presidente do Centro Regional de Braga, Prof. Doutor João Duque, e pelos Profs. Doutores Joaquim Azevedo, Miguel Gonçalves, Sérgio Tenreiro de Magalhães, Luísa Leal de Faria e Alfredo Dinis.

Com trabalhos preparatórios apresentados no verão de 2013, porém, só na sequência da nomeação, pelo Conselho Superior, em maio de 2014, de uma Comissão de Acompanhamento do CRBr, e a partir da formação de um grupo de trabalho local, a “Comissão de Reestruturação do CRBr”, o modelo a seguir ganharia verdadeira forma (ou, pelo menos, contornos mais definidos).

Integraram a Comissão de Acompanhamento do CRBr os Profs. Doutores Luísa Leal de Faria, Carvalho Guerra, João Duque e a Dra. Helena Brissos; constituíram a “Comissão de Reestruturação do CRBr” os Profs. Doutores João Duque, Presidente do CRBr e representante da Comissão de Acompanhamento; Miguel Gonçalves, Augusto Soares da Silva e Carlos Morais, da Direção da Faculdade de Filosofia; José Carlos Miranda, Alexandra Esteves e Sérgio Magalhães Tenreiro, da Direção da Faculdade de Ciências Sociais; Isabel Varanda, da Direção da Faculdade de Teologia; José Manuel Martins Lopes SJ, representante da Companhia de Jesus; e João Alberto Correia, representante da Arquidiocese de Braga.

Acolhido favoravelmente pela Comissão de Acompanhamento do CRBr, pela Reitoria e pela Companhia de Jesus, seria com base neste modelo que o Conselho Superior da UCP viria a aprovar, por unanimidade, no dia 16 de janeiro de 2015, a fusão das duas Unidades de Ensino, por meio da criação da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais – tendo em conta a proximidade científica das áreas das duas faculdades e “a vantagem da unificação de esforços e recursos, perante os fortes desafios da internacionalização e da prestação de serviços à região”.

Nomeada, entretanto, por despacho reitoral de 18 de fevereiro de 2015, uma Direção de transição (para, entre outras tarefas, “dirigir e acompanhar o processo de gestão diária das duas faculdades com vista à criação da Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais”), por Decreto MC–07/2015 do Magno Chanceler da Universidade Católica Portuguesa e Cardeal Patriarca de Lisboa, é instituída, em Braga, a partir do dia 1 de junho de 2015, a Faculdade de Filosofia e Ciências Sociais, tendo o seu Diretor e o Conselho de Direção tomado posse, em ato público, no dia 5 do mesmo mês.